sexta-feira, 13 de outubro de 2017

A luta é permanente e contínua

Exclusão - Ao iniciar a contagem dos dias que me conduzirão ao quinquagésimo oitavo ano da minha existência, devo reconhecer que a civilização humana avançou bastante até aqui, mas, desgraçadamente, ainda não conseguimos a eliminação da fome e a implantação de uma organização econômica mais igualitária. Apesar dos esforços  e lutas de meus antepassados e contemporâneos, os avanços ainda são pequenos, especialmente porque a exclusão social a ser enfrentada é enorme. O Brasil é o décimo país mais desigual do mundo, com índice de desenvolvimento humano (IDH) exatamente igual ao da Suazilândia, apesar de sermos a sexta economia do planeta. A situação é revoltante por causa da brutal concentração de renda e de riqueza existente.

Otimismo - Como eu sou, insistente e teimosamente, otimista, prefiro olhar os fatos positivos que pude vivenciar durante mais de meio século de vida. Eu vi o avanço das mulheres na ocupação de espaços na sociedade, a queda do comportamento odioso em relação à orientação sexual e a diminuição do preconceito de raça determinado pela cor da pele. Testemunhei conquistas importantes das lutas dos trabalhadores, como a redução da periodicidade dos reajustes salariais (conquista das greves de 1978/1979) e a diminuição da jornada semanal de trabalho (nas greves de 1985). Tenho certeza de que os avanços do capitalismo e da lógica da exclusão social serão sempre enfrentados, com tenacidade e coragem, pelas pessoas que acreditam em um mundo melhor e mais igualitário.

Mídia - O noticiário da mídia tradicional sempre esteve centralizado em pessoas e acontecimentos importantes para o capitalismo. Notícias de avanços das lutas e conquistas dos trabalhadores sempre estiveram em segundo plano. Corremos o risco de que, no futuro, datas importantes sejam lembradas somente por causa da relação com a ideologia dominante. Para exemplificar, o dia 11 de setembro pode ser lembrado, apenas, por conta da queda das Torres do World Trade Center (WCT) em Nova Iorque, no ano de 2001. Raras serão as referências ao golpe militar criminoso ocorrido no Chile, na mesma data, em 1973. O Golpe chileno contou com apoio explícito dos Estados Unidos da América do Norte, e instalou a ditadura sanguinária comandada pelo general Augusto Pinochet.

Democracia - Perto de ultrapassar seis décadas de vida, quero destacar, muito especialmente, a importância das lutas dos trabalhadores brasileiros na conquista da democracia que temos hoje. Ainda que ela tenha problemas e defeitos, e que precise (sempre) de aperfeiçoamento, a democracia não pode ser atribuída (exclusivamente) à atuação de figuras públicas da política tradicional como Ulisses Guimarães ou Tancredo Neves, mas muito especificamente, às greves operárias do final dos anos 70 do século passado. Embora, para a classe dominante, seja importante evidenciar atuações institucionais, para os trabalhadores será essencial, sempre e em todos os momentos, disseminar a verdade de que a democracia brasileira sempre dependeu da luta dos trabalhadores.

Otimismo, invisibilidade e luta de classes

Otimismo - Já confessei meu otimismo em outras ocasiões, e insisto em reafirmá-lo, em todos os momentos, para não perder o ânimo de lutar....