segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Diferenças

Lula presidente - É inegável que, na história do Brasil, nunca houve um líder operário com viabilidade eleitoral e reconhecimento popular como o presidente Lula. Não é de se esperar que ele, uma vez eleito novamente, faça todas as mudanças necessárias, uma vez que a exclusão social é imensa. Também é óbvio que, para governar, o futuro presidente terá que fazer alianças, e isto pode significar rebaixamentos programáticos importantes, o que pode inviabilizar a efetivação de uma série de medidas urgentes para o enfrentamento da miséria existente em nosso país. O fortalecimento dos movimentos sociais populares e dos instrumentos de participação popular é a única saída para que a candidatura do presidente Lula (líder em todas as pesquisas) seja vitoriosa e, ao mesmo tempo, consiga realizar um programa de inclusão social, que representa a esperança de milhões de pessoas.

A pauta da corrupção - É muito conveniente, para o golpismo, estabelecer, como pauta única, o debate sobre corrupção. Além da seletividade na divulgação de notícias, onde a criminalização do PT vem se tornando muito óbvia, há a secundarização de problemas importantes, como o da supressão de direitos, em nome de um equilíbrio financeiro que prejudica os mais pobres e beneficia os mais ricos. Os ataques ao presidente Lula, ao Partido dos Trabalhadores e à esquerda em geral, além de buscarem atingir a reputação de figuras públicas identificadas com as demandas das classes populares, têm o objetivo de esconder o verdadeiro objetivo do golpismo, que é a viabilização legal da supressão de direitos, para favorecer os interesses de detentores de títulos da dívida pública.


Tratamento diferenciado - A divulgação de resultados de pesquisas é reveladora de que a mídia tradicional dá um tratamento muito diferente (e injusto) quando se refere ao presidente Lula. O absurdo fica evidente quando são citados golpistas e integrantes do governo sem voto. Quando fala do presidente Lula, a manchete afirma que a maioria da população quer a sua prisão Lula, mas, quando fala do presidente ilegítimo a informação é de que os brasileiros querem que ele seja processado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Os números são muito distantes. Segundo os números da pesquisa citada, 55% querem a prisão do presidente Lula, e 89% dos pesquisados querem que o processo contra Michel Temer seja iniciado no Supremo. Referências à baixa aprovação do governo sem voto (algo próximo de 5%) são citadas de passagem. O mesmo acontece quando os números se referem às intenções de voto no presidente Lula em 2018 (mais de 35%).  

Otimismo, invisibilidade e luta de classes

Otimismo - Já confessei meu otimismo em outras ocasiões, e insisto em reafirmá-lo, em todos os momentos, para não perder o ânimo de lutar....