sexta-feira, 6 de julho de 2018

A prisão do Padre Amaro e o poder dos fazendeiros

Mídia - A prisão do Padre Amaro, acusado injustamente de associação criminosa e extorsão, foi noticiada com destaque na mídia tradicional. O sensacionalismo midiático se ocupou de dar destaque à notícia, com a pretensão de criminalizar os movimentos sociais populares. Sua libertação, ocorrida na semana passada, não teve a mesma repercussão midiática, que não se referiu às acusações injustas que o levaram a ficar preso durante mais de 90 dias.

Atividades -  O Padre Amaro é o continuador das atividades da religiosa Dorothy Stang na Prelazia do Xingu e no município de Anapu, no estado do Pará. Em conjunto com as irmãs de Notre Dame de Namur, com a participação ativa de cristãos leigos, o trabalho consistia na implantação de projetos de desenvolvimento sustentável, no qual famílias plantam e, ao mesmo tempo, preservam a floresta. 

Armação - Madeireiros, fazendeiros e grileiros de terra sempre, ávidos por aumentar a lucratividade de seus "negócios", sempre se opuseram às atividades do Padre Amaro. Eles foram os mandantes do assassinato da religiosa Dorothy Stang e, juntamente com a polícia de Anapu e com a anuência do judiciário do estado do Pará, armaram o processo que resultou na prisão do Padre Amaro. 

Impossibilidade - O absurdo fica evidente na acusação de associação criminosa. Como somente o Padre Amaro era acusado, o consórcio era impossível. A prisão arbitrária foi reconhecida pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que, na concessão do habeas corpus, reconheceu não haver, na denúncia, outros agentes envolvidos no tal "esquema criminoso", o que "afastaria a existência de organização criminosa". 

Opinião pública - O mais grave de tudo, no entanto, é o comportamento midiático em relação ao episódio. A notícia da prisão foi veiculada com estardalhaço. As informações sobre a libertação do Padre Amaro estão sendo omitidas pela mídia tradicional. O objetivo é criar, na opinião pública, uma sensação de condenação antecipada de acusados injustamente, mais especificamente se os acusadores forem muito poderosos, como é o caso. A exibição da imagem do religioso cercado por policiais ficará gravada na memória das pessoas. Informações sobre o seu trabalho, desgraçadamente, continuarão desconhecidas da maioria da opinião pública.

Pastoral - A Comissão Pastoral da Terra (CPT) divulgou nota em que afirma esperar que a decisão judicial contribua para restabelecer "a justiça em relação a um sacerdote e grande lutador em defesa dos direitos dos mais fracos - por primeiro o direito à terra da qual viver - espezinhados pelos que se arvoram em poderosos donos da terra e das decisões políticas".  

Luta permanente e contínua

Destruição  - Por ocasião da morte de mais um militante metalúrgico da cidade de São Paulo, texto de autoria do companheiro Sebastião Net...