domingo, 25 de fevereiro de 2018

Intervenção e golpismo II

Contra os pobres - Algumas das cenas da intervenção militar no Rio de Janeiro são reveladoras de parte do objetivo do governo sem voto com a iniciativa.  A presença militar nos bairros populares é muito grande, um indicador de que o objetivo da medida é criminalizar a pobreza e inibir qualquer possibilidade de reação dos moradores da periferia e dos morros da capital fluminense. 

Suspeitos - Tratados como bandidos potenciais, trabalhadores e trabalhadoras são intimidados por interpelações que buscam reforçar a suspeita de que os pobres podem ser colaboradores do tráfico de drogas e do crime organizado. Nas palavras de um militar "uma criança bonitinha, de 12 anos de idade, entrando em uma escola pública, não sabe o que ela vai fazer depois da escola". Nos bairros mais abastados da cidade do Rio de Janeiro não ocorrem interpelações e revistas. A suspeita de criminalização é dirigida contra os mais pobres.

Direitos humanos - O governo sem voto recuou da intenção de autorizar a emissão de "mandados de busca coletivos", instrumento que permitiria a invasão indiscriminada de residências e estabelecimentos dentro de uma determinada área geográfica, mas mantém o objetivo de conseguir que as ações militares não possam ser acusadas de violações aos direitos humanos. Na prática, a intervenção pretende que seus abusos sejam perdoados com antecedência, conferindo aos militares um salvo conduto para prender e torturar.

Populismo - Não existe dúvida de que a ideia de intervenção busca influenciar corações e mentes da população brasileira. A sensação de insegurança na opinião pública é evidente, e a intervenção tem caráter militar justamente por causa disso. O presidente ilegítimo, reprovado pela imensa maioria da população brasileira, pretende, com a intervenção, reverter esse quadro de rejeição, e se tornar simpático para a maioria dos brasileiros e brasileiras. 

Otimismo, invisibilidade e luta de classes

Otimismo - Já confessei meu otimismo em outras ocasiões, e insisto em reafirmá-lo, em todos os momentos, para não perder o ânimo de lutar....