quarta-feira, 9 de maio de 2018

Defender a democracia

Limites - A limitação da participação política da esquerda ao espaço institucional tem o poder de restringir o raciocínio militante ao calendário eleitoral. Os parlamentos (em todos os níveis) são dominados pelo poder econômico, e as votações têm, sempre, resultados previsíveis. As poucas exceções acontecem quando as ações institucionais se combinam com mobilizações populares, como ocorreu, recentemente, em relação à frustrada tentativa da prefeitura paulistana, de implantação de um sistema previdenciário específico para o funcionalismo municipal.

Legitimidade - A participação nos espaços institucionais tem a consequência de legitimar deliberações parlamentares que, em grande medida, contrariam os interesses dos trabalhadores e da maioria da população. A total ausência da esquerda desses espaços, por outro lado, resultaria em um domínio completo (e unânime) do pensamento conservador. A crítica ao envolvimento da esquerda com o parlamento não pode fortalecer a defesa de uma imediata retirada de mandatários eleitos desses espaços, mas deve reforçar a possibilidade de combinação da atuação institucional com as lutas e mobilizações dos movimentos sociais populares.

Conteúdo - A direita não tolera que ocorram avanços em políticas públicas de inclusão social e, ao mesmo tempo, pretendem que haja uma concordância geral com essa pretensão. O golpe contra a presidenta Dilma e a prisão do presidente Lula têm o objetivo de impor, ao conjunto da sociedade brasileira, um projeto que reforça a exclusão social e fortalece os interesses do capitalismo internacional e do mercado financeiro.

Violência - As agressões contra a democracia representativa e o uso de violência contra pessoas e mobilizações legítimas são outros aspectos da ofensiva conservadora. Não seria razoável revidar do mesmo modo. Os movimentos sociais populares e os sindicatos de trabalhadores não estão preparados para fazer o enfrentamento nas bases propostas pelo conservadorismo. Seríamos derrotados fragorosamente e, muito provavelmente, seríamos acusados de ter dado causa ao conflito.

Civilização - O momento político é de reforço de um projeto que incorpore os avanços civilizatórios já alcançados pela humanidade. O combate aos retrocessos propostos pelo pensamento conservador (e assumidos pelo golpismo) deve estar no centro das preocupações de todas as pessoas que lutam por um mundo melhor e mais justo. 

Otimismo, invisibilidade e luta de classes

Otimismo - Já confessei meu otimismo em outras ocasiões, e insisto em reafirmá-lo, em todos os momentos, para não perder o ânimo de lutar....